Navegação – Mapa do site
Artigos

Era preciso redescobrir o Brasil

As expedições geográficas do IBGE entre as décadas de 1940 e 1960
The need to rediscover Brazil: geographic expeditions of IBGE between the 1940’s and the 1960’s
Era necesario redescubrir Brasil: las expediciones geográficas del IBGE entre las décadas de 1940 y 1960
Il fallait redécouvrir le Brésil : les expéditions géographiques de l’IBGE entre les années 1940 et 1960
Vera Abrantes

Resumos

As expedições geográficas do IBGE foram implementadas em 1941. Método de pesquisa utilizado nos estudos geográficos, essas expedições possibilitavam identificar aspectos da realidade brasileira até então desconhecidos; permitiam construir um corpo de conhecimentos geográficos sobre o Brasil; e subsidiavam os projetos do governo federal para reconhecimento do território brasileiro. No final dos anos 1960 ocorre uma mudança nos procedimentos metodológicos e as expedições deixam de ser referência nas pesquisas geográficas.

Topo da página

Entradas no índice

Geográfico :

Brasil

Cronológico :

1941-1968
Topo da página

Texto integral

No princípio era o caos! Reinavam a desordem e a confusão no quadro territorial brasileiro. Nenhuma norma racionalizadora se impunha em meio ao tumulto, no sentido de uma razoável caracterização dos âmbitos geográficos. O Brasil não tinha, dessa maneira, a medida exata de sua grandeza física, porque lhe faltavam os elementos indispensáveis à perfeita definição de sua imagem
Observador Econômico e Financeiro, 1940

A geografia no IBGE: da cartografia ao planejamento territorial

1O regime político instaurado após a Revolução de 30 teve como principais características a centralização, burocratização e racionalização das ações políticas em torno da esfera estatal, com quebra da autonomia dos estados. Em comparação ao período histórico precedente, apresentou uma crescente centralização de poder, em que “o executivo federal não só comandava as políticas econômica e social, como também dispunha dos meios repressivos e executivos para executá-las” (Draibe, 1985, p. 62).

2O processo iniciado em 1930, com a instalação do Governo Provisório, e ampliado em 1937, quando foi outorgada a nova Constituição, inaugurando o Estado Novo, trouxe como consequência o reforço do Poder Executivo e da imagem simbólica do presidente Getúlio Vargas. O contexto político foi marcado por uma fase de revitalização da estrutura governamental federal: “velhos órgãos ganharam nova envergadura, estruturaram-se carreiras, assim como os procedimentos sujeitaram-se crescentemente à lógica racional-legal” (Draibe, 1985, p. 62).

3O processo de concentração de poder no Estado expressou-se, também, no esforço de modernização e centralização dos instrumentos de informação estatística sobre as riquezas nacionais, a população e a estrutura das atividades econômicas. Tal esforço vinha com reação a experiências anteriores em que os levantamentos numéricos realizados de revelaram precários ou falhos por completo, por falta de fixação dos âmbitos territoriais do país.

4A necessidade de criação de um órgão que centralizasse as pesquisas neste campo levou Mário Augusto Teixeira de Freitas, delegado geral do Recenseamento do Estado de Minas Gerais, a delinear um modelo de gerenciamento de informações territoriais em que as decisões operacionais ficavam concentradas nas mãos de um único gerente, o órgão coordenador do sistema, que deveria compartilhar com os produtores e usuários a padronização dos dados a serem coletados (Observador Econômico e Financeiro, 1940).

5Aprovado o projeto, o Governo criou em 06 de julho de 1934, por meio do decreto no 24.609, o Instituto Nacional de Estatística (INE), instalado somente em 29 de maio de 1936, quando foram regulamentadas suas atividades. Um dos principais suportes da coesão político-administrativa do governo Vargas, o INE caracterizava-se por sua estrutura de representações que contemplava todas as instâncias de governo, podendo ser definido como agência do poder central capilarizada (Almeida, 2000, p. 61). A atuação do órgão seria diferente por ter como base uma orientação técnica mais precisa e unificada para todo o Brasil: “o Instituto teve que acompanhar uma diretriz política fundada na centralização do poder do Estado, e que combatia o federalismo das unidades estaduais...” (Gomes, 2002, p. 176).

6Ocorreu, então, um movimento de renovação da estatística nacional, em termos de operacionalidade e ampliação da informação. A criação de um sistema nacional de estatística foi um passo importante, pois conferiu ao Executivo federal mais consistência no monopólio da informação (Draibe, 1985).

  • 1 A Seção de Estatística Territorial da Diretoria de Estatística e Publicidade do Ministério da Agric (...)

7Contudo, ainda faltava um organismo que se dedicasse, especificamente, aos levantamentos geográficos realizados por diversos órgãos federais. Em 1931 o Brasil participou oficialmente do XIII Congresso Internacional de Geografia realizado em Paris, onde travou o primeiro contato com a União Geográfica Internacional (UGI). Em 1933, o geógrafo francês Emmanuel De Martonne formalizou um convite de filiação à UGI, salientando a ideia da constituição de um órgão nacional encarregado da coordenação dos assuntos relacionados à geografia brasileira. A criação do Conselho Brasileiro de Geografia (CBG), em 1937, iria atender a esta solicitação. Incorporado ao INE, o CNG assumia oficialmente a responsabilidade pelos projetos de reconhecimento do território brasileiro, em substituição à estrutura então existente.1 Um ano depois, o INE foi renomeado como Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e o CBG passou a se chamar Conselho Nacional de Geografia.

8Cabe ressaltar que a integração técnica entre a estatística, a geografia e a cartografia deu-se nesse período, principalmente no que se refere à preparação das equipes de profissionais. Paralelamente a essas iniciativas no campo da administração pública federal, foi organizado um aparato institucional acadêmico dedicado à geografia, materializado com a criação de cursos universitários na Universidade de São Paulo (USP), na Universidade do Distrito Federal (UDF). Também foram contratados professores franceses, encarregados de iniciar os geógrafos brasileiros em padrões profissionais de pesquisa.

9A função básica do CNG, no início, era a de produzir mapas para os levantamentos censitários. Havia, pela primeira vez, uma preocupação com a correta localização das áreas a serem cobertas pelo censo. “A Geografia e a Cartografia tiveram um papel essencial na melhoria da qualidade da informação. Os dados dos Censos, de 1940 para cá, evidentemente, têm um grau de fidedignidade muito maior” (Faissol, 1995, p.167).

As expedições como método de pesquisa geográfica

10Instrumento fundamental para conhecimento do território nacional, a Geografia deu os primeiros passos como disciplina autônoma no fim do século XIX, graças à sistematização de Ratzel e Richthofen (Capel, 1981). Como consequência deste desenvolvimento tardio, muitas vezes seu campo científico definiu-se em superposição ao de outras ciências que evoluíram anteriormente, sendo difícil estabelecer os verdadeiros limites entre esses conhecimentos. O trabalho realizado pelos geógrafos foi o de apropriação e sistematização de conceitos e teorias, aplicando-os ao estudo do meio ambiente em seus aspectos fisiográficos, assim como em relação com os habitantes e as estruturas econômicas e sociais implantadas.

11Ao mesmo tempo em que trilhava este caminho científico, a Geografia prestava-se a diversas utilizações políticas, pois organizava seu enunciado em torno de questões até então restritas ao Estado, como a gestão do território e o inventário dos recursos naturais. Recontextualizados no discurso geográfico, tais temáticas enfatizam as relações entre poder e saber (Foucault, 1979). De acordo com este autor, todo exercício do poder é lugar de formação de um saber e, em contrapartida, todo saber assegura o exercício de um poder. Nessa linha de raciocínio, não seria despropositado supor que o saber geográfico apresenta-se como um instrumento bastante útil ao poder, por sua condição estratégica e capacidade de inventariar o território nacional. O processo de concentração de poder no Estado, no primeiro governo Vargas, expressou-se também na intensa formulação oficial de políticas territoriais explícitas no sentido de se conhecer geograficamente o país.

12A partir da oficialização do projeto que dividia o Brasil em grandes regiões (1942), o CNG expandiu suas atividades aos estudos de geografia humana e regional com vistas a construir um corpo de conhecimentos geográficos sobre o país, tanto no plano acadêmico, como no plano instrumental, orientando ações governamentais de organização territorial.

13Para isso, fazia-se necessário identificar numerosos aspectos da realidade brasileira até então desconhecidos. Para desempenhar com eficiência a tarefa que lhe fora atribuída, o IBGE implantou no Brasil métodos de investigação utilizados nos principais centros internacionais da produção geográfica, tais como as expedições de estudo, baseadas em observações in loco em diversas regiões. A pesquisa geográfica de campo permitia observações detalhadas do processo de ocupação do território e estudos inéditos de transformações espaciais de grande impacto que vinham ocorrendo no país, como a marcha das frentes pioneiras e a expansão do sistema urbano. “As excursões geográficas e os trabalhos de campo passam a ser o ponto alto das novas orientações didáticas” (Angotti-Salgueiro, 2005, p. 25).

14É importante destacar que as expedições geográficas proporcionaram aperfeiçoamento profissional aos técnicos do Instituto e forneceram, ao Governo Federal, subsídios aos seus projetos de reconhecimento e intervenção no território brasileiro, mudança da capital federal, colonização agrícola, regionalização em várias escalas, estudos sobre a urbanização e diagnósticos ambientais.

A “época de ouro” das expedições geográficas do IBGE

15O IBGE, através do CNG, objetivando atender às necessidades do Governo Federal, procurou proporcionar treinamento em pesquisas geográficas aos profissionais que fariam parte do primeiro grupo organizado pelo Conselho, ainda no processo de implantação do Curso de Geografia da UDF. Pierre Deffontaines, geógrafo francês que lecionava nesta universidade, incutiu nos futuros geógrafos uma visão integrada de geografia física e geografia humana, acima de qualquer orientação especializada (Valverde, 1998).

16Com base na necessidade de desenvolvimento sistemático dos estudos sobre o meio geográfico e a atividade humana, o IBGE criou, em 1939, um centro de estudos destinado a coordenar e estimular pesquisas empreendidas por seus geógrafos. Desde então, inaugurou-se um período de três décadas (anos 1940, 1950 e 1960) de práticas profissionais fundamentadas nas expedições geográficas. As atividades do centro se desdobravam em reuniões e em expedições com o propósito de realizar investigações no próprio local. “O fundamental dessas excursões era essencialmente o levantamento do território, o conhecimento das suas condições naturais e humanas, as condições terrestres” (Botelho, 1998).

17Francis Ruellan, geógrafo francês discípulo de Emmanuel de Martonne e especializado em geomorfologia, tornou-se o grande formador da primeira geração de geógrafos do CNG, a chamada “velha guarda ibgeana” (Almeida, 2000, p. 183). Entre 1941 e 1956, organizou grandes trabalhos de campo, considerados por seus alunos como verdadeiros cursos especiais. A título de exemplo, veja-se o depoimento de Maria Francisca Cardoso (1999):

Nas excursões [eu] secretariava o professor Ruellan. Tudo o que ele falava tinha que escrever na caderneta, tomar nota de tudo, medir, ficar encarregada da câmara clara, aquele aparelho que reconstitui o desenho, a paisagem, e principalmente providenciar todas as excursões. Tinha que fazer tudo, desde o seguro de vida, porque as excursões eram perigosas. Ficávamos acampados, sozinhos no meio do mato.

18A expedição ao Jalapão, em 1943, marco inicial das pesquisas de reconhecimento geográfico do território brasileiro, tinha por objetivo o estudo da região localizada na divisa dos estados de Goiás (hoje Tocantins) e Bahia. Primeira de uma série de três campanhas sucessivas em território baiano, a expedição foi chefiada pelo engenheiro Gilvandro Simas Pereira e incluía em suas atividades o levantamento de coordenadas geográficas, trabalhos topográficos e observações da geomorfologia e da geografia humana da área (estas realizadas pelo jovem geógrafo Pedro Geiger, da Seção de Estudos do CNG).

19Em 1945, o CNG contratou Leo Waibel, professor da Universidade de Wisconsin, para orientar geógrafos em ocupação e uso do solo em regiões tropicais, tornando-o, então, referência em estudos no gênero aplicados ao território brasileiro. Seu vasto conhecimento de geografia agrária ampliou os horizontes de geógrafos encarregados pelo Governo Federal de colaborar em projetos de colonização.

20Em torno de Waibel formou-se um seleto grupo de pesquisa de campo que propunha um novo enfoque para o conhecimento geográfico. A orientação era bastante meticulosa, pois ensinava os alunos a organizar notas, redigir os diários, fotografar, fazer croquis, ver e pensar. Nas pesquisas, um dos alunos ficava encarregado de observar a paisagem detalhadamente. Waibel exigia que, primeiro, fossem apresentados os fatos, depois, as teorias. Dessa maneira, enfatizava seu ponto de vista metodológico, o de que “em Geografia, como em qualquer ciência concreta, deve-se aplicar o raciocínio indutivo, as teorias devem adaptar-se aos fatos e não estes às teorias” (Waibel, 1979, p. 15).

21Primeiro projeto do grupo, o Atlas geral da colonização do Brasil, localizava áreas que poderiam ser ocupadas por grandes massas de população deslocadas pelo fim da Segunda Guerra Mundial. Depois veio o problema da mudança da capital para o Planalto Central, prevista na Constituição de 1946. Atendendo à demanda governamental de definir o espaço do Distrito Federal no interior do país, Leo Waibel e Francis Ruellan conduziram, cientificamente, pesquisas minuciosas nas zonas previamente escolhidas e estudos geográficos dos sítios adequados, que lá se poderiam encontrar, para a instalação da futura capital. Foram sugeridas, entre outras, a área em que hoje está localizada Brasília, áreas no Triângulo Mineiro e na região chamada Mato Grosso de Goiás (Comissão de Estudos para Localização da Nova Capital, 1947).

22Observe-se que os trabalhos efetuados pelo CNG eram realizados num contexto em que o poder central, através de outros canais, procurava ocupar e valorizar o interior do país. O Conselho promoveu expedições aos estados de Mato Grosso e Goiás, região que, em virtude de seus recursos naturais, estava destinada a desempenhar um papel decisivo na chamada Marcha para o Oeste, linha mestra da política territorial preconizada por Vargas, à qual se creditava o futuro da nação.

23Ainda como parte do plano geral de pesquisa sobre colonização no Brasil, o IBGE realizou no Rio Grande do Sul, em 1948, estudos geográficos que abrangeram a viabilidade para receber os imigrantes. Esse plano exigiu numerosas expedições geográficas.

24Em 1949, o IBGE assinou um convênio com a Comissão do Vale do Rio São Francisco para realizar o levantamento geológico e geomorfológico da bacia do rio e investigar sítios para a construção da Usina de Paulo Afonso.

  • 2 Registros fotográficos que documentavam especificidades das regiões estudadas geraram um arquivo da (...)

Foi a maior excursão que houve no IBGE, o primeiro trabalho no Vale do São Francisco, pesquisa de campo com o senhor Francis Ruellan. [...]. Aquilo foi uma excursão de trabalho e trabalho pesado. Muita coisa surgiu como documentação fotográfica,2 de conhecimento do Brasil, de formação dos geógrafos, de noção do valor de excursão de trabalho de campo. Eu não era dessa época, mas quando cheguei tudo girava em torno, quase tudo, em termos de metodologia de trabalho de campo (Sant’Anna, 1999, grifo nosso).

25Em 1953, o geógrafo Lúcio de Castro Soares percorreu toda a área de transição da Amazônia com o Centro-Oeste e o Nordeste, resultando no trabalho Delimitação da Amazônia para fins de planejamento econômico publicado na Revista Brasileira de Geografia. Segundo testemunha José César de Magalhães (2008), “quando entrei no IBGE em 1953, o Lúcio de Castro Soares estava terminando de definir os limites da Amazônia Legal para entregar ao presidente [da República]. Nós fomos ao Palácio do Catete”.

  • 3 A coleção, composta por numerosos volumes, apresenta um retrato do Brasil na década de 1950, do pon (...)

26O período entre o início dos anos 1940 e final dos anos 1950 é chamado pelos geógrafos do IBGE de época de ouro da pesquisa de campo, o qual teria culminado com as expedições geográficas efetuadas em 1956 no XVIII Congresso Internacional de Geografia e, em 1957, com as pesquisas de campo que visavam à elaboração da Enciclopédia dos Municípios Brasileiros.3

27O XVIII Congresso Internacional de Geografia, promovido pela UGI, aconteceu no Rio de Janeiro entre 9 e 18 de agosto de 1956. Como parte desse evento, organizou-se um programa de excursões para que os congressistas pudessem conhecer as regiões geográficas mais representativas da realidade nacional, conforme relata Valverde (1998):

Em 1956 se realizou o Décimo Oitavo Congresso Internacional de Geografia no Rio de Janeiro, que foi na União Geográfica Internacional, o maior congresso de Geografia de todos os tempos. O primeiro na região tropical, na faixa tropical e, também, o primeiro no hemisfério sul. Nós organizamos excursões como guias de geógrafos, fizemos nove excursões e conduzi um grupo de vinte e dois geógrafos de dezesseis nacionalidades diferentes, do Rio de Janeiro até o interior do Rio Grande do Sul. Levamos vinte e um dias no campo. Um dos colegas, o Lúcio de Castro Soares, levou um grupo para a Amazônia. A maior curiosidade despertou. Já imaginou os europeus serem conduzidos por um geógrafo para a Região Amazônica? Uma grande desconhecida. Foi um sucesso extraordinário!

28As expedições geográficas desse Congresso deram origem a nove livros-guia que sintetizam o resultado de viagens e pesquisas, proporcionando ao mesmo tempo uma visão geral das principais regiões do Brasil e a oportunidade de conhecimento mais pormenorizado da geografia física e humana das áreas estudadas (Boletim Geográfico, 1956).

29No final da década de 1960, com a emergência da chamada Geografia Quantitativa, ocorre uma mudança dos procedimentos metodológicos nos estudos geográficos, resultando no progressivo abandono do trabalho de campo, em favor da aplicação de técnicas quantitativas e modelos matemáticos e estatísticos. Antes deste verdadeiro “divisor de águas”, no entanto, o IBGE organizou muitas excursões de estudo em todas as unidades da federação. Afinal, “era preciso redescobrir o Brasil”. As expedições geográficas foram essenciais no cumprimento da missão do Instituto – revelar informações sobre a população brasileira e o território nacional.

30O mapeamento das expedições geográficas realizadas pelo IBGE no período entre 1941 e 1968, que em seu conjunto podem servir de referência a outros pesquisadores que venham a se interessar pelo tema, será apresentado esquematicamente como anexo. Cabe esclarecer, no entanto, que não se trata de lista exaustiva. Foram relacionadas somente as expedições geográficas promovidas ou apoiadas pelo IBGE, que se encontram registradas na Revista Brasileira de Geografia e no Boletim Geográfico (identificadas na tabela abaixo pelas siglas RBG e BG, respectivamente).

Topo da página

Bibliografia

ALMEIDA, Roberto Schmidt. A geografia e os geógrafos do IBGE no período 1938-1998. 2 v. Tese (Doutorado) - Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2000.

ANGOTTI-SALGUEIRO, Heliana. A construção de representações nacionais: os desenhos de Percy Lau na RBG e outras "visões iconográficas" do Brasil Moderno. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v.13, n.2, p.21-72. 2005.

ARANHA, Wilson de Souza. [Depoimento]. Entrevistadora: Vera Lucia Cortes Abrantes. Rio de Janeiro. 1 fita cassete áudio (57min). 13 mar. 2008.

BOLETIM Geográfico, Rio de Janeiro, v.13, n.128. 1956.

BOTELHO, Carlos de Castro. [Depoimento]. Entrevistadora: Vera Lucia Cortes Abrantes. Rio de Janeiro. 2 fitas cassete áudio (1h32min). 22 jun. 1999.

CAPEL, Horacio. Filosofía y ciencia en la Geografía contemporánea: una introducción a la Geografía. Barcelona: Barcanova. 1981.

CARDOSO, Maria Francisca T. C. [Depoimento]. Entrevistadora: Vera Lucia Cortes Abrantes. Rio de Janeiro. 1 fita cassete áudio (1h10min). 15 jun. 1999.

DRAIBE, Sônia. Rumos e metamorfoses: um estudo sobre a constituição do Estado e as alternativas da industrialização no Brasil, 1930-1960. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1985.

EXPEDIÇÕES ao Planalto Central do Brasil - Relatórios. Rio de Janeiro: Comissão de Estudos para a Localização da Nova Capital, Seção Especializada de Estudos Geográficos, 1947. Cópia datilografada. Arquivo 4-A, Estante I, Caixa/Pasta 2. (Acervo Memória IBGE). 1947.

FAISSOL, Speridião. Entrevista concedida ao geógrafo Roberto Schmidt de Almeida. Cadernos de Geociências, Rio de Janeiro, n.15. p.165-181. 1995.

FOUCAULT, Michel. Sobre a geografia. In: Foucault, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, p.153-165. 1979.

GOMES, Angela de Castro. Cidadania e direitos do trabalho. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 2002.

MAGALHÃES, José César de. [Depoimento]. Entrevistadora: Vera Lucia Cortes Abrantes. Rio de Janeiro. 1 fita cassete áudio (28min). 3 jul. 2008.

MAZZOLA, Rubens Moreno. [Depoimento]. Entrevistadora: Vera Lucia Cortes Abrantes. São João Del Rey. 1 fita cassete áudio (1h08min). 12 jan. 2009.

OBSERVADOR Econômico e Financeiro, Rio de Janeiro, ano 5, n.54, jul. 1940.

PENHA, Eli Alves. A criação do IBGE no contexto da centralização política do Estado Novo. Rio de Janeiro: IBGE. (Documentos para disseminação. Memória Institucional, 4). 1993.

PEREIRA, Gilvandro Simas. Expedição ao Jalapão. RBG, v.5, n.4, out./dez., 1943b. p. 573-622.

______. Expedição ao Sudoeste da Bahia: relatório 1945. RBG, v.8, n.4, out./dez., 1946. p. 437-508.

SANT'ANNA, Henrique. [Depoimento]. Entrevistadora: Vera Lucia Cortes Abrantes. Rio de Janeiro. 1 fita cassete áudio (1h18min). 30 maio 1999.

VALVERDE, Orlando. [Depoimento]. Entrevistadora: Vera Lucia Cortes Abrantes. Rio de Janeiro 4 fitas cassete áudio (3h33min). 22 out., 16, 21, 28 nov. 1998.

WAIBEL, Leo Henrich. Capítulos de geografia tropical e do Brasil. 2.ed. anotada. Rio de Janeiro: IBGE. 1979.

Topo da página

Anexo

Mapeamento das expedições geográficas do IBGE

Ano

Área pesquisada4

Objetivo

Pesquisador

Fonte de referência

1941

Arquipélago de Fernando de Noronha

Colher material para pesquisas e realizar observações

J. C. Raja Gabaglia

RBG, v.3, n.1, jan./mar. 1941, p.168

Triângulo mineiro e Canal de São Simão (MG)

Observar o aspecto físico intermunicipal e interestadual do Canal de São Simão

Jorge Zarur

RBG, v.3, n.3, jul./set. 1941, p.621

Antigo Distrito Federal, Rio de Janeiro e Minas Gerais

Estudos e observações da região

Pesquisadores do CNG

RBG, v.3, n.3, jul./set. 1941, p.674

Baía de Guanabara e regiões vizinhas

Estudos sobre a evolução geomorfológica da área

Francis Ruellan, alunos da FNF e participantes do curso de aperfeiçoamento de professores de geografia promovido pelo CNG

RBG, v.6, n.4, out./dez. 1944, p.445-508

Mato Grosso

Localizar novas fontes de exploração aurífera e atualizar o Mapa Geológico do Brasil

Dalmi Rodrigues de Souza e Aníbal Alves Bastos (técnico do Ministério da Agricultura)

BG, v.4, n.47, fev. 1947, p.1515

1942

Goiás e Bahia – limites Minas-Bahia-Goiás e Goiás-Bahia-Piauí-Maranhão

Reconhecimento geográfico; levantamento de coordenadas; trabalhos topográficos e cartográficos

Gilvandro Simas Pereira e Dalmi Rodrigues de Souza

BG, v.4, n.48, mar. 1947, p.1653

RBG, v.4, n.2, out./dez. 1942, p.397

Goiás eBahia – região do Jalapão e Vale do Rio Preto

Determinação do divisor de águas entre as bacias dos Rios São Francisco e Tocantins; contribuição à Carta do Brasil ao Milionésimo

Gilvandro Simas Pereira e pesquisadores do CNG e do DNPM

RBG, v.4, n.4, out./dez. 1942, p.891

RBG, v.5, n.4, out./dez. 1943, p.573

BG, v.1, n.12, mar. 1944, p.44

Vale do Rio São Francisco

Reconhecimento geográfico

Orlando Valverde e Jorge Zarur

RBG, v.6, n.2, abr./jun. 1944, p.179-218

Ano

Área pesquisada

Objetivo

Pesquisador

Fonte de referência

1943

Goiás e Bahia – Região do Jalapão (1ª campanha em território baiano)

Reconhecimento geográfico da área onde se encontra a Lagoa do Veredão; determinação do divisor São Francisco-Tocantins; estudo da bacia hidrográfica do Rio Preto; levantamento de coordenadas geográficas, levantamento topográfico e de altitudes; estudos de geomorfologia e de geografia humana

Francis Ruellan, Gilvandro Simas Pereira, Pedro Pinchas Geiger e Alfredo Porto Domingues

BG, v.1, n.3, jun. 1943, p.60, p.62

BG, v.1, n.4, jul. 1943, p.81

BG, v.1, n.9, dez. 1943, p.117

BG, v.1, n.12, mar. 1944, p.44-46, p.183

BG, v.2, n.14, maio 1944, p.183

RBG, v.5, n.3, jul./set. 1943, p.510

RBG, v.5, n.4, out./dez. 1943, p.573-622

RBG, v.8, n.4, out./dez. 1946, p.437

Bacia terciária de Resende, Campo Belo e Maciço do Itatiaia (RJ)

Estudos de geomorfologia

Francis Ruellan, Fábio de M. S. Guimarães, J. Veríssimo da Costa Pereira, Lúcio de Castro Soares, pesquisadores do CNG e alunos da Faculdade Nacional de Filosofia (FNF)

BG, v.1, n.6, set. 1943, p.60

BG, v.1, n.7, out. 1943, p.71, p.74, p.78, p.102

BG, v.1, n.8, nov. 1943, p.99

BG, v.5, n.49, abr. 1947, p.85

Vale do Rio Doce

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Francis Ruellan, pequisadores do CNG, alunos da FNF e os biólogos A. G. Lagden Cavalcanti e José Antunes

BG, v.1, n.9, dez. 1943, p.113, p.117

BG, v.2, n.15, jun. 1944, p.332

BG, v.5, n.49, abr. 1947, p.85

RBG, v.5, n.3, jul./set. 1943, p.512

Vale do Rio Doce – trecho Rio de Janeiro- Belo Horizonte

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Fanny Rachel Koiffman

BG, v.2, n.15, jun. 1944, p.332

Ano

Área pesquisada

Objetivo

Pesquisador

Fonte de referência

1943

Vale do Rio Doce – trecho Belo Horizonte- Nova Lima

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Miguel Alves de Lima

BG, v.2, n.15, jun. 1944, p.341

Vale do Rio Doce – região de Belo Horizonte, Lagoa Santa e Lapinha

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

José Carlos J. Schmidt

BG, v.2, n.16, jul. 1944, p.455

Vale do Rio Doce – trecho Belo Horizonte- Sabará-Monlevade

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Lysia Cavalcanti e J. Veríssimo da Costa Pereira

BG, v.2, n.16, jul. 1944, p.458

Vale do Rio Doce – Monlevade

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Maria Ieda Leite

BG, v.2, n.16, jul. 1944, p.471

Vale do Rio Doce – Pico do Andrada e Serra do Seara

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Alfredo Porto Domingues

BG, v.2, n.17, ago. 1944, p.676

Vale do Rio Doce – trecho Monlevade- São Domingos do Prata- Fazenda São Julião

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

MariamTiomno

BG, v.2, n.17, ago. 1944, p.702

Vale do Rio Doce – trecho Monlevade- Nova Era

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Fanny Rachel Koiffman

BG, v.2, n.17, ago. 1944, p.707

Vale do Rio Doce – trecho Itabira- Fazenda Girau

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Luci Guimarães de Abreu

BG, v.2, n.18, set. 1944, p.873

Vale do Rio Doce – Pico da Conceição e Fazenda Betânia

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Lysia Cavalcanti

BG, v.2, n.19, out. 1944, p.1036

Vale do Rio Doce – trecho Itabira-Governador Valadares

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Hélio Luiz César

BG, v.2, n.19, out. 1944, p.1042

Vale do Rio Doce – trecho Governador Valadares -Vitória

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Ma Teresinha de Segadas Viana

BG, v.2, n.20, nov. 1944, p.1182

Vale do Rio Doce – Vitória

Estudos sobre a paisagem capixaba e sobre o Porto de Vitória

J. Veríssimo da Costa Pereira

BG, v.2, n.20, nov. 1944, p.1189, p.1193, p.1198

Vitória, Linhares e Lagoa de Juparanã

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Regina P. Guimarães Spindola

BG, v.2, n.21, dez. 1944, p.1357

Vale do Rio Doce – Vitória e Cachoeiro do Itapemirim

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Miguel Alves de Lima

BG, v.2, n.21, dez. 1944, p.1361

Ano

Área pesquisada

Objetivo

Pesquisador

Fonte de referência

1943

Zona litorânea de Cabo Frio (RJ)

Reconhecimento geográfico

Francis Ruellan, Fábio de M. S. Guimarães, J. Veríssimo da Costa Pereira e Regina P. Guimarães Spíndola

BG, v.1, n.10, jan. 1944, p.49

Macaé (RJ) – Patrocinada pelo Instituto do Açúcar e do Álcool

Estudos de geografia agrária

Francis Ruellan, Lysia Cavalcanti, Luci de Abreu e Ma da Penha Bastos Mendes

BG, v.1, n.10, jan. 1944, p.51, p.52

Angra dos Reis, Guaratinguetá, Cunha, Parati, Mangaratiba e Região do Cabo Frio (RJ)

Interpretação científica da Serra do Mar entre Parati e Cunha; estudo da zona litorânea de Parati-Angra dos Reis-Mangaratiba

Francis Ruellan, Fábio de Macedo Soares Guimarães, José Veríssimo da Costa Pereira, Mariam Tiomno, pesquisadores do CNG e alunos da FNF

BG, v.2, n.21, dez. 1944, p.1367

BG, v.2, n.23, fev. 1945, p.1733

RBG, v.5, n.4, out./dez. 1943, p.677

Região no norte do Rio Doce

Reconhecimento geográfico; levantamento de coordenadas geográficas; estudos de geografia humana

Dalmi Rodrigues de Souza

BG, v.5, n.49, abr. 1947, p.50

Vale do Rio São Francisco – trecho Pirapora (MG)-Penedo (AL)

Reconhecimento geográfico; estudos de geografia humana, econômica e regional

Jorge Zarur (comissionado pela National Planning Association) e Orlando Valverde

BG, v.1, n.8, nov. 1943, p.111, p.114

BG, v.1, n.9, dez. 1943, p.117

BG, v.5, n.49, abr. 1947, p.50

RBG, v.5, n.3, jul./set. 1943, p.511

Ilha de São Francisco do Sul

Reconhecimento geomorfológico

Beneval de Oliveira

RBG, v.22, n.2, abr./jun. 1960, p.133

1944

Paraná e Santa Catarina – Zona litorânea do norte catarinense, trecho Corupá- Serra Alta-Mafra-Itaiópolis

Reconhecimento geográfico

Beneval de Oliveira (técnico do Instituto do Mate, patrocinado pelo CNG)

BG, v.2, n.17, ago. 1944, p.682

BG, v.3, n.27, jun. 1945, p.448

Ano

Área pesquisada

Objetivo

Pesquisador

Fonte de referência

1944

Paraná e Santa Catarina

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Francis Ruellan, Sílvio Fróes de Abreu, Orlando Valverde, alunos da FNF e pesquisadores do CNG

BG, v.2, n.21, dez. 1944, p.1376

BG, v.2, n.23, fev. 1945, p.1739

BG, v.5, n.50, maio 1947, p.196

RBG, v.6, n.1, jan./mar. 1944, p.150

Paraná e Santa Catarina – trecho São Paulo- Curitiba

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Alfredo Porto Domingues

BG, v.2, n.24, mar. 1945, p.1923

Paraná e Santa Catarina – Colônia Santa Felicidade

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Dora de Amarante Romariz

BG, v.2, n.24, mar. 1945, p.1923

Paraná e Santa Catarina – trecho Curitiba- Guarapuava-Vila Velha

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Pedro Pinchas Geiger

BG, v.2, n.24, mar. 1945, p.1929

Paraná e Santa Catarina – trecho Guarapuava-Laranjeiras

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Eloísa de Carvalho

BG, v.2, n.24, mar. 1945, p.1929

Paraná, Santa Catarina – trecho Laranjeiras-Foz do Iguaçu; Foz do Iguaçu

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Luci Guimarães de Abreu

BG, v.3, n.25, abr. 1945, p.64

Paraná e Santa Catarina – trecho Curitiba-Paranaguá

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Alfredo Porto Domingues

BG, v.3, n.25, abr. 1945, p.75

Paraná e Santa Catarina – trecho Curitiba- Joinville-Blumenau

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Léia Lermer

BG, v.3, n.26, maio 1945, p.268

Paraná e Santa Catarina – trecho Curitiba-Londrina

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Mariam Tiomno

BG, v.3, n.28, jul. 1945, p.590

Paraná e Santa Catarina – Londrina; zona pioneira do noroeste do Paraná

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Lysia Cavalcanti Bernardes

BG, v.3, n.28, jul. 1945, p.603

Paraná e Santa Catarina – trecho Londrina-São Paulo

Estudos de geomorfologia, climatologia e geografia humana

Pedro Pinchas Geiger

BG, v.3, n.28, jul. 1945, p.608

Minas Gerais, São Paulo – trecho Volta Redonda- Campos do Jordão-Juiz de Fora

Treinamento dos alunos da FNF

Pesquisadores do CNG e alunos do FNF

BG, v.5, n.50, maio 1947, p.197

Ano

Área pesquisada

Objetivo

Pesquisador

Fonte de referência

1944

Região Nordeste

Estudos de interpretação geográfica

Pierre Monbeig, Aroldo de Azevedo, João Dias da Silveira, Ari França, Ma da Conceição Vicente de Carvalho e Óton Leonardos (professores da USP, com apoio do CNG)

BG, v.5, n.50, maio 1947, p.197

Bacia do Rio Cachoeira (antigo DF)

Estudo monográfico de microgeografia

Fábio de M. S. Guimarães

BG, v.5, n.50, maio 1947, p.197

Região Centro-Ocidental da Bahia (2ª Campanha em território baiano)

Reconhecimento geográfico; determinação das coordenadas geográficas

Gilvandro Simas Pereira

RBG, v.7, n.4, out./dez. 1945, p.573-620

BG, v.3, n.27, jun. 1945, p.451

BG, v.5, n.50, maio 1947, p.197

1945

Sudoeste da Bahia (3ª Campanha em território baiano) – Bacias dos rios Correntes e Carinhanha; municípios de Barreiras, Sta Maria da Vitória, Carinhanha, Correntina, Bom Jesus da Lapa, Palmas de Monte Alto, Riacho de Santana, Macaúbas, Caetité, Caculé, Guanambi, Urandi e Jacaraci

Reconhecimento geográfico

Gilvandro Simas Pereira, Pedro Pinchas Geiger e Alfredo Porto Domingues

BG, v.4, n.43, out. 1946, p.884

BG, v.5, n.51, jun. 1947, p.223, p.319

RBG, v.8, n.4, out./dez. 1946, p.437-508

RBG, v.9, n.2, abr./jun. 1947, p.185

Serra da Estrela e dos Órgãos

Estabelecer a relação entre relevo e a estrutura da região

Miguel Alves de Lima

BG, v.4, n.37, abr. 1946, p.54

Sul de Goiás

Colonização e conhecimento da vegetação original

Leo Waibel, Speridião Faissol e Osvaldo Lobo

BG, v.4, n.47, fev. 1946, p.1498

BG, v.7, n.73, abr. 1949, p.77

RBG, v.9, n.3, jul./set. 1947, p.313-342

Ano

Área pesquisada

Objetivo

Pesquisador

Fonte de referência

1946

Serra dos Órgãos, Serra da Bocaina, restingas fluminenses, Saquarema, Araruama, Cabo Frio, Vale do Rio Araras, Região de Itaipava, Serra das Araras, Serra de Santa Catarina (Pati do Alferes)

Estudos de geografia física e geografia humana

Francis Ruellan, Antonio Teixeira Guerra, pesquisadores do CNG e alunos da FNF

BG, v.7, n.73, abr. 1949, p.77

Noroeste da Bahia

Levantamento geográfico de uma área de 90 000 Km

Pesquisadores do CNG

BG, v.7, n.73, abr. 1949, p.78

Serra do Mar

Estudos de geomorfologia e geografia humana

Francis Ruellan, Pierre Danserau, pesquisadores do CNG

RBG, v.9, n.4, out./dez. 1947, p.497

Planalto Central

Reconhecimento geográfico para mudança da capital

Leo Waibel, Speridião Faissol

RBG, v.10, n.3, jul./set. 1948, p.335-380

São Paulo, Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais

Levantamento de informações geográficas para fins de colonização

J. Veríssimo da Costa Pereira

BG, v.7, n.73, abr. 1949, p.77

RBG, v.12, n.3, jul./set. 1950, p.429

Divisor Tietê-Paranapanema

Reconhecimento geográfico

Silvio Fróes de Abreu

BG, v.4, n.42, set. 1946, p.729

1947

Planalto Central

Estudos geográficos relacionados ao problema de localização da nova Capital Federal

Christovam Leite de Castro, Francis Ruellan, Leo Waibel, Antonio Teixeira Guerra, Carlos de Castro Botelho, Robert Platt e pesquisadores do CNG

BG, v.5, n.55, out. 1947, p.825

BG, v.7, n.74, maio 1949, p.176, p.177

Região de Diamantina (MG)

Elaboração de monografias regionais

Francis Ruellan, pesquisadores do CNG

BG, v.7, n.74, maio 1949, p.177

Piraí (RJ)

Elaboração de monografias regionais

Pesquisadores do CNG

BG, v.7, n.74, maio 1949, p.177

Ponta Porã (MT)

Elaboração de monografias regionais

Pesquisadores do CNG

BG, v.7, n.74, maio 1949, p.177

Planalto da Bocaina

Estudos de áreas para localização de imigrantes holandeses

Pesquisadores do CNG e da Missão Holandesa

BG, v.7, n.74, maio 1949, p.177

Paraná e Santa Catarina

Preparação do Atlas Geral de Colonização do Brasil

Leo Waibel e pesquisadores do CNG

BG, v.7, n.74, maio 1949, p.176

Ano

Área pesquisada

Objetivo

Pesquisador

Fonte de referência

1947

São Paulo, Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais

Estudos de climatologia

J. Veríssimo da Costa Pereira e Carlos Augusto F. Monteiro

RBG, v.13, n.1, jan./mar. 1951, p.3

1948

Região colonial antiga do Rio Grande do Sul

Estudos sobre solo, vegetação, povoamento, sistemas agrícolas, paisagens culturais e possibilidade de receber imigrantes; preparação do Atlas da Colonização do Brasil

Leo Waibel, Orlando Valverde e Nilo Bernardes

RBG, v.10, n.2, abr./jun. 1948, p.316

RBG, v.10, n.4, jul./set. 1948, p.477-534

Goiás

Estudos de reconhecimento geográfico; estudos sobre a colônia alemã de Uvá

Speridião Faissol

RBG, v.11, n.1, jan./mar. 1949, p.3

Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais

Orientar tecnicamente o estabelecimento de novas colônias agrícolas

Moacir Pavageau, Pedro Pinchas Geiger e Miguel Alves de Lima

RBG, v.14, n.2, abr./jun. 1952, p.127-180

Nordeste brasileiro

Estudos sobre vegetação

Walter Egler e seção regional nordeste

RBG, v.13, n.4, out./dez. 1951, p.577-590

Paraná

Uso da terra

Leo Waibel e Lysia Cavalcanti Bernardes

RBG, v.18, n.2, abr./jun. 1956, p.259-276

1949

Zona Pioneira ao norte do Rio Doce

Reconhecimento geográfico

Leo Waibel e Walter Egler

RBG, v.13, n.2, abr./jun. 1951, p.223-264

Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul

Estudo dos problemas fitoecológicos da área

Leo Waibel e Edgar Kuhlmann

RBG, v.14, n.2, abr./jun. 1952, p.181-198

São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul

Atlas de Colonização do Brasil

Leo Waibel, Orlando Valverde e Lysia Cavalcanti Bernardes

RBG, v.15, n.3, jul./set. 1953, p.335

Ano

Área pesquisada

Objetivo

Pesquisador

Fonte de referência

1950

Zona Pioneira ao norte do Rio Doce

Reconhecimento geográfico

Leo Waibel, Walter Egler e Pedro Pinchas Geiger

RBG, v.13, n.2, abr./jun. 1951, p.223-264

RBG, v.13, n.3, jul./set. 1951, p.403-442

Rio de Janeiro, Minas Gerais e Paraná

Programa da I Reunião Pan-Americana de Consulta sobre Geografia

Orlando Valverde, Marília Veloso, Eloísa de Carvalho e participantes da reunião

RBG, v.12, n.2, abr./jun. 1950, p.340

Espírito Santo, Minas Gerais e Bahia

Reconhecimento geográfico

Leo Waibel, Pedro Pinchas Geiger, Walter Egler e Orlando Valverde

RBG, v.13, n.3, jul./set. 1951, p.403

Bacia do São Francisco

Estudos de geomorfologia, geografia humana, fitogeografia e cartografia

Francis Ruellan, Edgar Kuhlmann, Carlos de Castro Botelho, Maria Francisca Cavalcanti, Marietta Mandarino Barcello, Maria Emília de Castro Botelho e outros alunos da FNF

BG, v.8, n.93, dez. 1950, p.1117

RBG, v.13, n.3, jul./set. 1951, p.465

Território Federal do Amapá

Observações sobre biogeografia, geografia humana e geografia física

Alceo Magnanini

RBG, v.14, n.3, jul./set. 1952, p.243-304

Paraná

Preparação do Atlas de Colonização do Brasil

Leo Waibel, Orlando Valverde, Lysia Cavalcanti Bernardes, Ma da Conceição Vicente de Carvalho, Dora de Amarante Romariz

RBG, v.15, n.3, jul./set. 1953, p.335

RBG, v.15, n.4, out./dez. 1953, p.597

RBG, v.18, n.2, abr./jun. 1956, p.259

Ilha da Trindade

Estudar as condições da ilha com vistas à defesa nacional

José Carlos Pedro Grande

RBG, v.12, n.4, out./dez. 1950, p.625

Ano

Área pesquisada

Objetivo

Pesquisador

Fonte de referência

1952

Norte de Mato Grosso

Delimitação da área de ocorrência da floresta amazônica em território brasileiro

Marília G. Veloso

RBG, v.14, n.4, out./dez. 1952, p.377-408

Maciço do Itatiaia e regiões adjacentes (RJ)

Reconhecimento geográfico

Orlando Valverde e delegados da Assembleia Geral do CNG

BG, v.10, n.111, nov./dez. 1952, p.772

1953

Usina de Volta Redonda

Reconhecimento geográfico

Ney Strauch e delegados da Assembleia Geral do CNG

BG, v.11, n.116, set./out. 1953, p.514

Instalações hidrelétricas da Light – Usinas de Forçacava e do Vigário (RJ)

Reconhecimento geográfico

Ney Strauch, delegados da Assembleia Geral do CNG

BG, v.11, n.116, set./out. 1953, p.514

Região Setentrional de Goiás – localidades: Peixe, Uruaçu, Porto Nacional, Pedro Afonso, Miracema do Norte, Filadélfia, Carolina e Natividade

Observações geográficas; reconhecimento das principais áreas da Região Centro-Oeste

Speridião Faissol e Nei Rodrigues Innocencio

BG, v.11, n.117, nov./dez. 1953, p.636

Região Setentrional de Goiás– garimpos de cristal compreendidos na região de Pimu e Chapada

Observações geográficas, reconhecimento das principais áreas da Região Centro-Oeste

Speridião Faissol e Nei Rodrigues Innocencio

BG, v.11, n.117, nov./dez. 1953, p.636

Mato Grosso

Estudos de geomorfologia

Speridião Faissol, Edgar Kuhlmann e Lúcio de Castro Soares

RBG, v.16, n.1, jan./mar. 1954, p.78

Zona cacaueira da Bahia

Reconhecimento geográfico

Carlos de Castro Botelho e Aluízio Gentil Branco (estagiário)

RBG, v.16, n.2, abr./jun. 1954, p.161-212

Leste da Paraíba

Reconhecimento geográfico

Orlando Valverde

RBG, v.17, n.1, jan./mar. 1955, p.49-91

Ilha de Marajó (PA) – Região do Rio Arari

Estudo sobre a pesca na região

Lúcio de Castro Soares, Marília G. Veloso e Ma Magdalena Vieira Pinto

RBG, v.18, n.3, jul./set. 1956, p.373-408

Ano

Área pesquisada

Objetivo

Pesquisador

Fonte de referência

1954

Região Meridional do Rio Grande do Sul – municípios: Guaíba, São Jerônimo, Rio Pardo, Encruzilhada do Sul, General Câmara, Taquari e Bom Jesus do Triunfo

Estudos de geografia humana, com ênfase em geografia agrária

Alfredo Porto Domingues, Hilda da Silva e Ma da Glória Cerqueira Campos

BG, v.12, n.119, mar./abr. 1954, p.224

Território do Rio Branco

Estabelecer contato com os principais problemas da área em estudo

Antônio Teixeira Guerra, Antônio Nascimento

BG, v.12, n.119, mar./abr. 1954, p.224

Região meridional de Minas Gerais

Estudos de geologia, geomorfologia, clima, vegetação e uso da terra

Ney Strauch, Carlos de Castro Botelho, Ariadne Sotto Maior e Lúcia de Oliveira

BG, v.12, n.119, mar./abr. 1954, p.224

Região Norte

Observar os efeitos fisiográficos e econômicos causados pela maior cheia do Rio Amazonas

Lúcio de Castro Soares e Carlos de Castro Botelho

BG, v.12, n.119, mar./abr. 1954, p.225

1955

Baixada fluminense, zona pioneira do Espírito Santo, planalto de Minas Gerais

Preparação das expedições do XVIII Congresso Internacional de Geografia

Ney Strauch, Welheim Kegel, Antonio Teixeira Guerra e Roberto Galvão

BG, v.13, n.126, maio/jun. 1955, p.340

Região Norte

Subsídios para a obra Geografia do Brasil

Antônio Teixeira Guerra e Roberto Galvão

RBG, v.17, n.2, abr./jun. 1955, p.153-174

Vale do Rio Pardo, entre os municípios de Caconda (SP) e Poços de Caldas (MG)

Observações sobre a natureza e possibilidades do solo

José Setzer

RBG, v.18, n.3, jul./set. 1956, p.287-322

1956

Planalto Centro-Ocidental e Pantanal Matogrossense (Excursão nº 1 do XVIII Congresso Internacional de Geografia)

Conhecimento pormenorizado da geografia física e humana das áreas

Fernando F. Marques de Almeida, Miguel Alves de Lima e Lúcia de Oliveira

BG, v.13, n.128, set./out. 1956, p.495

Zona metalúrgica de Minas Gerais – Vale do Rio Doce (Excursão nº 2 do XVIII Congresso Internacional de Geografia)

Conhecimento pormenorizado das geografias física e humana das áreas

Ney Strauch, Alfredo Porto Domingues e Maria T. Ribeiro da Costa

BG, v.13, n.128, set./out. 1956, p.495

Roteiro do café zonas pioneiras (Excursão nº 3 do XVIII Congresso Internacional de Geografia)

Conhecimento pormenorizado das geografias física e humana das áreas

Ary França, Nice Lecocq Muller, Ruy Osório de Freitas e Dora de Amarante Romariz

BG, v.13, n.128, set./out. 1956, p.495

Ano

Área pesquisada

Objetivo

Pesquisador

Fonte de referência

1956

Vale do Paraíba, Serra da Mantiqueira e Região de São Paulo (Excursão nº 4 do XVIII Congresso Internacional de Geografia)

Conhecimento pormenorizado das geografias física e humana das áreas

Aziz Ab’Saber, Nilo Bernardes, Ma Teresinha de Segadas Soares e Luiz Guimarães de Azevedo

BG, v.13, n.128, set./out. 1956, p.495

Planície litorânea e região açucareira do Estado do Rio de Janeiro (Excursão nº 5 do XVIII Congresso Internacional de Geografia)

Conhecimento pormenorizado das geografias física e humana das áreas

Lysia Maria Cavalcanti Bernardes, Ruy Osório de Freitas e Luiz Guimarães de Azevedo

BG, v.13, n.128, set./out. 1956, p.495

Bahia (Excursão nº 6 do XVIII Congresso Internacional de Geografia)

Conhecimento pormenorizado das geografias física e humana das áreas

Alfredo Porto Domingues, Elza C. de Souza Keller e Lília Camargo Veirano

BG, v.13, n.128, set./out. 1956, p.495

Nordeste (Excursão nº 7 do XVIII Congresso Internacional de Geografia)

Conhecimento pormenorizado das geografias física e humana das áreas

Mário Lacerda de Mello, Aziz Ab’Saber e Dárdano de Andrade Lima

BG, v.13, n.128, set./out. 1956, p.495

Amazônia (Excursão nº 8 do XVIII Congresso Internacional de Geografia)

Conhecimento pormenorizado das geografias física e humana das áreas

Lúcio de Castro Soares e Roberto Galvão

BG, v.13, n.128, set./out. 1956, p.495

Planalto meridional do Brasil (Excursão nº 9 do XVIII Congresso Internacional de Geografia)

Conhecimento pormenorizado das geografias física e humana das áreas

Orlando Valverde e Dora de Amarante Romariz

BG, v.13, n.128, set./out. 1956, p.495

Cabo Frio (RJ)

Aperfeiçoamento de professores de geografia

Pesquisadores do CNG e participantes do curso de aperfeiçoamento de professores de geografia

BG, v.16, n.145, jul./ago. 1958, p.559

1957

Iguape e Cananéia (SP)

Subsídios para a Enciclopédia dos Municípios Brasileiros

Antônio Teixeira Guerra

RBG, v.19, n.3, jul./set. 1957, p.345

Meio Norte

Estudos sobre a geografia econômica e social do babaçu

Orlando Valverde e outros membros do Grupo de Estudos do Babaçu

RBG, v.19, n.4, out./dez. 1957, p.381-420

Território Federal de Fernando de Noronha

Estudo geográfico

Lúcio de Castro Soares

BG, v.16, n.145, jul./ago. 1958, p.558

Ano

Área pesquisada

Objetivo

Pesquisador

Fonte de referência

1957

São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro

Coletar dados e fotografias para a Enciclopédia dos Municípios Brasileiros

Pesquisadores do CNG

BG, v.16, n.145, jul./ago. 1958, p.558

Cabo Frio

Aperfeiçoamento de professores de geografia

Participantes do curso de aperfeiçoamento de professores

BG, v.16, n.145, jul./ago. 1958, p.559

1958

Leopoldina, Bicas, São João Nepomuceno, Cataguases, Astolfo Dutra, Ubá, Mercês e Juiz de Fora (MG)

Reconhecimento geográfico; morfologia dos solos

Orlando Valverde e Thiago Ferreira da Cunha

RBG, v.20, n.2, abr./jun. 1958, p.225-233

Angra dos Reis (RJ)

Aperfeiçoamento de professores de geografia

Antônio José de M. Musso e participantes do curso de aperfeiçoamento de professores de geografia

BG, v.16, n.146, set./out. 1958, p.660

Região do Mendanha (antigo DF)

Estudos de geografia agrária

Hilda da Silva

RBG, v.20, n.4, out./dez. 1958, p.429-462

1960

Rio Grande do Sul, Minas Gerais e São Paulo

Subsídios para a Enciclopédia dos Municípios Brasileiros

Pesquisadores do CNG

BG, v.18, n.155, mar./abr. 1960, p.338

Bacia do Ucaiali (Alto Amazonas)

Reconhecimento geográfico

José Cézar de Magalhães

RBG, v.22, n.2, abr./jun. 1960, p.209-258

Região do Baixo Açu (RN)

Estudos de geografia agrária

Orlando Valverde e Myriam G. C. Mesquita

RBG, v.23, n.3, jul./set. 1961, p.455-494

1961

Bacia do Paraná

Subsídios para a Enciclopédia dos Municípios Brasileiros

Pesquisadores do CNG

BG, v.18, n.155, mar./abr. 1960, p.338

Vale do Rio Araguaia

Reconhecimento geográfico

Speridião Faissol e Giovanni Toledo

RBG, v.24, n.4, out./dez. 1962, p.543

Região Leste – Vale do Jequitinhonha, zona litorânea do sul do estado do Rio de Janeiro e litoral de São Paulo

Subsídios para a obra Geografia do Brasil

Pesquisadores do CNG

BG, v.18, n.155, mar./abr. 1960, p.338

Juiz de Fora (MG)

Estudos para a geografia da indústria no Brasil Sudeste

Michel Rochefort e membros do Grupo de Geografia das Indústrias

RBG, v.25, n.2, abr./jun. 1963, p.155

Ano

Área pesquisada

Objetivo

Pesquisador

Fonte de referência

1962

Campina Grande (PB)

Estudos de geografia urbana

Lysia Cavalcanti Bernardes, Olga Ma Buarque de Lima, Elizabeth Antibes, Maria Francisca Cavalcanti e Henrique de Azevedo Sant’anna

RBG, v.25, n.4, out./dez. 1963, p.415

Sertão do Nordeste

Estudos de geografia agrícola

Aluízio Capdeville Duarte

RBG, v.25, n.4, out./dez. 1963, p.453-474

Sergipe

Estudos de geografia urbana

Roberto Lobato Corrêa

RBG, v.27, n.2, abr./jun. 1965, p.233-258

Caruaru (PB)

Estudos de geografia urbana

Lysia Cavalcanti Bernardes, Olga Ma Maria Buarque de Lima, Elizabeth Antibes, Maria Francisca Cavalcanti e Henrique de Azevedo Sant’anna

RBG, v.27, n.4, out./dez. 1965, p.587-614

Jundiaí (SP)

Reconhecimento geográfico

Fanny Davidovich e membros do Grupo de Geografia das Indústrias

RBG, v.28, n.4, out./dez. 1966, p.329-374

1963

Bacia leiteira do Rio de Janeiro

Reconhecimento geográfico

Orlando Valverde

RBG, v.26, n.4, out./dez. 1964, p.609

Petrópolis (RJ)

Estudos de geografia da indústria

José Cezar de Magalhães

RBG, v.28, n.1, jan./mar. 1966, p.19-56

1964

Orla litorânea da cidade do Rio de Janeiro e zona rural do estado da Guanabara

Aperfeiçoamento para professores de geografia

Antonio Teixeira Guerra, Pedro P.Geiger e participantes do curso de aperfeiçoamento de professores de geografia

BG, v.22, n.178, jan./fev. 1964, p.504

1965

Região Nordeste e Leste-Setentrional

Potencial humano

Michel Rochefort, Grupo de Geografia da População

RBG, v.27, n.1, jan./mar. 1965, p.145

Paraná e Santa Catarina

Estudos sobre a divisão regional

Pesquisadores do CNG

BG, v.25, n.192, maio/jun. 1966, p.385

Ano

Área pesquisada

Objetivo

Pesquisador

Fonte de referência

1965

Região Amazônica

Estudo da divisão municipal

Orlando Valverde, Catarina V. Dias, Jacob Binstock

BG, v.25, n.192, maio/jun. 1966, p.385

Região de Belém (PA) e Rodovia Belém-Brasília

Estudo urbano de Belém e da influência geoeconômica da Rodovia Belém-Brasília

Pesquisadores do CNG

BG, v.25, n.192, maio/jun. 1966, p.385

Planalto Central

Estudos sobre a área geoeconômica e de abastecimento de Brasília

Pesquisadores do CNG

BG, v.25, n.192, maio/jun. 1966, p.385

Território Federal de Rondônia

Estudos sobre correlação de solos para a Carta de Solos da América do Sul

Pesquisadores do CNG

BG, v.25, n.192, maio/jun. 1966, p.385

Região Centro-Oeste

Comemorações do centenário de nascimento do Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon

Pesquisadores do CNG

BG, v.25, n.192, maio/jun. 1966, p.385

1967

Território Federal do Amapá

Estudo de caráter geral sobre as condições do meio físico regional e exame da economia

Luiz Guimarães de Azevedo e pesquisadores do CNG

RBG, v.29, n.2, abr./jun. 1967, p.25-51

1968

Médio Amazonas

Reconhecimento geomorfológico

Ma Regina Mousinho de Meis

RBG, v.30, n.2, abr./jun. 1968, p.3-20

Topo da página

Notas

1 A Seção de Estatística Territorial da Diretoria de Estatística e Publicidade do Ministério da Agricultura, sob chefia de Christovam Leite de Castro, fora criada em 1933 para realizar atividades do gênero.

2 Registros fotográficos que documentavam especificidades das regiões estudadas geraram um arquivo das expedições geográficas. Ver: ABRANTES, Vera Lucia Cortes. O arquivo fotográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística e o olhar de Tibor Jablonszky sobre o trabalho feminino. História, Ciências, Saúde - Manguinhos. Rio de Janeiro, v.20, n.1, jan.-mar. 2013, p.289-306.

3 A coleção, composta por numerosos volumes, apresenta um retrato do Brasil na década de 1950, do ponto de vista histórico-geográfico e socioeconômico.

4 As unidades territoriais legalmente estabelecidas (unidades da federação, municípios, distritos) são do período em que se realizaram as expedições.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Vera Abrantes, « Era preciso redescobrir o Brasil », Terra Brasilis (Nova Série) [Online], 3 | 2014, posto online no dia 26 Agosto 2014, consultado o 20 Setembro 2017. URL : http://terrabrasilis.revues.org/982 ; DOI : 10.4000/terrabrasilis.982

Topo da página

Autor

Vera Abrantes

Doutora em Memória Social (UNIRIO); Supervisora do Setor de Memória Institucional do IBGE-Centro de Documentação e Disseminação de Informações.

Topo da página

Direitos de autor

© Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica

Topo da página
  • Les cahiers de Revues.org