Navegação – Mapa do site

A Terra Brasilis de Volta ao Mapa

Manoel Fernandes de Sousa Neto

A Terra Brasilis (Nova Série) nasce sobre as pegadas da antiga Revista Terra Brasilis e, claro, vira páginas em tudo àquilo que se lhe imprime as marcas das décadas e os signos do tempo. Porém, o faz, ainda mantendo e continuando tudo o que a fez surgir um dia para agora ser recuperada e tornar-se outra.

A trajetória temporal da antiga Terra Brasilis é descontinua e curta. Viveu fora das datas regulares, dos inenarráveis padrões exigidos para que fosse avaliada como um periódico letrado e numerado. Circulou entre poucos e de mão em mão, dando sempre prejuízo financeiro aos seus editores e, às vezes, não chegando aos poucos assinantes e leitores dispersos geograficamente por lugares conhecidos como Teresina ou Paris.

Ao mesmo tempo a TB reuniu e agregou pesquisadores preocupados com a história do pensamento geográfico dentro e fora da geografia, dentro e fora do Brasil, dentro e fora da língua portuguesa. O fez para ampliar o campo, consolidar vínculos teóricos, dialogar com outras áreas das ciências humanas e sociais, criar um lastro e estabelecer uma rede de investigação que tinha por azo por em contato o que se pensava de modo disperso.

Este território intelectual em que se constituiu a TB em torno de seus nove números impressos em seis revistas, teve sempre o arguto e meticuloso trabalho, quase artesanal que se realizava no Rio de Janeiro por Sergio Nunes e Letícia Parente que, afinal, costuravam letra a letra, palavra a palavra, imagem e imagem, a sempre cuidadosa edição dos artigos e perseguiam garantir o principal, aquilo que era o ex libris do periódico, o rigor intelectual da investigação que a revista oferecia aos olhos do público.

A partir de temas caros a história do pensamento geográfico e seguindo a ideia de ser uma espécie de dossiê, a TB reuniu pessoas em tornos de questões vinculadas à história da disciplina escolar geografia, ao território, à história da cartografia, ao pensamento social brasileiro e o fez sempre tentando esse movimento de retornar aos clássicos, apontar as fontes, explicitar os métodos de investigação no campo e dizer do necessário diálogo com outras disciplinas que não a geografia.

A Nova Série busca manter tudo isso que já houvera e busca não deixar de ser, mas o faz de outro modo e cumprindo um papel diferente pelo menos uma geração depois de investigadores e investigações vinculados aos problemas, métodos e teorias no campo da história do pensamento geográfico, da história da geografia e da geografia histórica.

As novidades, no caso, vão desde a leitura on-line, a página mineral, o acesso virtual enfim, até o cumprimento desejado de todos os prazos, regras e exigências que possam fazer a revista tornar-se digna da boa avaliação dos institutos internacionais de ranqueamento dos periódicos científicos e ai vão para mais de trinta meticulosas regras que tornam o deus Cronos uma espécie de coadjuvante entediado.

O fundamental, entretanto, é o que se mantém de sólido nas novidades e isso diz respeito à tessitura intelectual em que a Nova Série se ancora – o trabalho continuo da RedeBrasilis, fórum onde diferentes pesquisadores definem os temas, discutem as ementas para realização dos editais, socializam problemas vinculados às suas investigações e tecem a intricada edição sempre com editores convidados para cada número temático.

Esse sentido de grupo e de coisa pública, ao final, é também o que vai a público, constituindo um pouco a noção de arena de debates e de que o campo em questão, nas ciências humanas em geral e na geografia em particular, não pertence a ninguém e deve ser aberto a tantos quantos dele queiram participar. O papel de portal ou ambiente virtual da revista é o de ser mais acessível a tantos quantos queiram conviver com a Rede Terra Brasilis e contribuir com a Nova Série.

Ademais, os textos passarão a ser publicados em várias línguas e agora, ao invés de mão em mão ou pelos correios, devem correr o planeta entre um e outro clik, entre downloads e terminais de Paris ou Teresina, Belém ou Helsinque, seja lá qual for o IP.

O que dizer: são novos meios, para uma quase antiga revista, que agora passa a ser Nova Série. Eis, portanto, caro (a) leitor (a), a Terra Brasilis de volta ao mapa.

  • Les cahiers de Revues.org