Navegação – Mapa do site

Tão perto, tão longe

(Razões e significados de um dossiê)
Sergio Nunes Pereira

Texto integral

1Em artigos publicados anteriormente em Terra Brasilis e, de modo talvez mais explícito, em seus editoriais, chamou-se a atenção para a centralidade da geografia no desenvolvimento histórico brasileiro e para o enraizamento de referenciais geográficos no imaginário social do país. Dada a preocupação da revista em consolidar a história do pensamento geográfico como área de pesquisa no âmbito disciplinar, é compreensível que o tema tenha aparecido de forma recorrente em suas páginas. Tal ênfase, no entanto, embora tenha sua legitimidade, não deve alimentar a impressão de uma "excepcionalidade brasileira" quanto a esta questão. A importância da geografia e das representações geográficas nos processos de formação do Estado e da sociedade certamente não constitui uma exclusividade de nossa experiência histórica, podendo também ser reivindicada com relação a outros contextos nacionais.

2Um panorama sobre a trajetória do saber geográfico em alguns países latino-americanos, como o que aqui se apresenta, pode oferecer parâmetros interessantes para se pensar a questão. Ele permite não apenas ampliar o horizonte cultural da história da geografia no Brasil como também compreendê-la mais profundamente, pelo recurso da comparação. E esta, acredita-se, ganha maior consistência quando baseada em critérios de proximidade histórica, como a existente entre o Brasil e os países em questão.

3As sociedades latino-americanas e a brasileira são semelhantes no que se refere à origem colonial e à condição periférica, marcos a partir dos quais foram definidos historicamente alguns problemas e desafios comuns: a preocupação em construir uma identidade nacional distinta das antigas metrópoles e dos países vizinhos (com os quais freqüentemente mantinham relações conflituosas); a tentativa de implementar projetos de modernização que permitissem acompanhar as transformações econômicas e tecnológicas verificadas nos centros hegemônicos do capitalismo; e, em decorrência dos itens anteriores, a pretensão de reformular as bases da cultura nacional, através de programas educacionais e da criação de instituições científicas e culturais.

4A busca de soluções para tais problemas e desafios assumiu formas concretas distintas, porém, como já foi destacado em algumas contribuições em história das ciências, guarda geralmente uma estreita relação com a organização do campo do conhecimento nesses países. Dentro deste quadro, paradoxalmente, o saber geográfico ocupa um lugar tão importante quanto ainda obscuro, tendo em vista a ambigüidade e a pluralidade de funções que foi capaz de abarcar para fazer frente ao conjunto de tarefas acima mencionado - ensino público, propaganda oficial, reconhecimento do território e inventário pragmático de seus recursos, para citar apenas alguns exemplos.

5O desenvolvimento deste saber (ou saberes, como seria mais apropriado dizer) não seguiu uma linha uniforme nas nações latino-americanas, como se poderá constatar no material selecionado, tendo na realidade percorrido rumos diferentes em função de circunstâncias históricas nacionais e locais. Não seria o caso, nesta breve apresentação, de tentar elencar tais diferenças, ou então, seguindo um caminho inverso, buscar traços comuns capazes de configurar um "padrão latino-americano" para as idéias e as práticas geográficas. Ao invés disso, optou-se por conferir a este dossiê sobretudo um sentido metodológico, utilizando-o de modo a problematizar algumas interpretações correntes em história do pensamento geográfico. Deste modo, procura-se ir ao encontro de certas preocupações já manifestadas em Terra Brasilis e alguns trabalhos acadêmicos, que tentam redesenhar a historiografia da nossa disciplina.

6Levando em conta tais preocupações e o conteúdo dos textos aqui reunidos, algumas questões de certo alcance podem ser levantadas, na expectativa de que possam servir como parâmetro para discussões e investigações na área. A primeira delas refere-se às condições através das quais são desenvolvidas as idéias geográficas - produzidas originalmente na Europa - em âmbitos culturais periféricos. Trata-se de um tema já trabalhado por Lia Machado (1995 e 2000), que recebe nova atenção nas páginas que se seguem. Conforme nos ensina a autora, teria predominado uma assimilação seletiva das teorias geográficas européias pelo pensamento social brasileiro, que, atuando de modo pragmático, "decompôs matrizes de pensamento, selecio[nando] o que considerava 'adaptável' ao país" (Machado, 1995: 348). O mesmo tipo de conduta parece ter sido a tônica na América Latina, como evidenciam Claudia Barros e Perla Zusman para o caso argentino. Segundo a primeira autora, uma determinada tradição de antropogeografia desenvolveu-se em Buenos Aires no início do século XX, dotada de características próprias e baseada apenas parcialmente nas idéias de Ratzel. Já a segunda autora, ao analisar o projeto disciplinar hegemônico nas décadas seguintes no país, demonstra que este não hesitou em conciliar uma orientação cientificista e naturalista de inspiração inglesa (marcadamente evolucionista e cosmopolita) com uma orientação baseada no espiritualismo filosófico (que enfatizava, por sua vez, a defesa dos 'valores nacionais').

7Ainda dentro desta questão, convém destacar que as características particulares assumidas pela geografia desenvolvida na América Latina não se restringiram ao campo estritamente disciplinar (acadêmico e escolar), podendo igualmente ser estendidas para o âmbito das chamadas sociedades geográficas, voltadas para a exploração e para a coleta de informações sobre o território. Originadas na Europa em meados do século XIX, tais associações não tardaram a surgir também no mundo latinoamericano, chegando a atingir meia centena em 1939 (CapeI, 1993: 417). Mesmo que não se possa negar a influência de um modelo institucional europeu atuando na formação das associações de "além-mar", seria preciso acrescentar que estas foram criadas para atender expectativas e interesses das elites intelectuais e políticas nacionais, como fica patente no texto de Leoncio López Ocón sobre a Sociedade Geográfica de Lima. Também através deste exemplo, conforme nos indica o autor, ficaria evidenciado que as elites latino-americanas lograram desempenhar um papel ativo na organização de programas de conhecimento e iniciativas científicas, contrariando a imagem clássica de “colonialismo cultural" que pesa sobre o continente.

  • 1 Neste sentido, ver PerIa Zusman e Sergio Nunes Pereira, (2000), que consideram a existência de âmbi (...)

8Outro aspecto relevante implícito nos textos, que já estava a merecer há tempos uma reflexão mais cuidadosa, é o tema da institucionalização do saber geográfico. Seria necessário reconhecer, de imediato, que uma certa "oficialidade" ainda presente nos modos de se fazer a história da geografia no Brasil (inclusive em suas versões críticas) tem contribuído para cristalizar uma perspectiva segundo a qual a institucionalização desta área do conhecimento só teria se verificado na década de 1930, com a criação dos cursos universitários e órgãos técnico-administrativos governamentais. Tem sido uma meta de Terra Brasilis, desde seu primeiro número, redimensionar esta interpretação, dedicando a maior parte de sua programação ao pensamento geográfico anterior a 1930 e propondo, em alguns artigos, uma visão mais matizada da questão1.

9A presença, neste dossiê, de contribuições que enfatizam justamente vias não acadêmicas de institucionalização da geografia só vem reforçar o esforço empreendido. Neste caso, além do texto sobre a Sociedade Geográfica de Lima já mencionado, cabe destacar sobretudo o artigo de Héctor Mendoza Vargas sobre os engenheiros geógrafos mexicanos. O interesse na trajetória desses profissionais consiste no fato de eles terem sido oficialmente identificados, no México recém-independente, como portadores do saber geográfico destinado a promover o conhecimento do território e desempenhar tarefas de administração pública para o novo Estado. Como mostra o autor, problemas como a legibilidade, a valorização e a ocupação do território nacional representavam desafios a serem vencidos e requeriam especialistas para sua solução, que, em virtude das habilitações exigidas para o cargo, recebiam sua formação não na Universidade do México (centro tradicional dos estudos superiores no país), mas em âmbitos específicos ligados à tradição de engenharia. Trata-se, portanto, de um tipo de saber geográfico que desenvolveu o seu próprio caminho de institucionalização e profissionalização.

10Com o exemplo pretende-se não tanto reivindicar um lugar para os engenheiros geógrafos na história da geografia, mas sobretudo esclarecer alguns aspectos da mesma, através do conhecimento da trajetória - nem sempre afortunada - desses profissionais. No caso mexicano, seu insucesso em obter o monopólio dos serviços geográficos, entre outras desventuras, permite trazer à tona os embates que marcaram o processo de institucionalização da disciplina (o saber oficializado como "geografia"). Este processo caracterizou-se pela disputa entre corporações em busca de legitimação social para seus saberes, possuindo, assim, um componente extracientífico que não teria se esgotado no momento "prédisciplinar". Ao contrário: os espaços acadêmicos abertos à geografia no início do século XX logo se apresentariam como arenas privilegiadas de estratégias institucionais, como demonstram os textos já citados de Claudia Barros e Perla Zusman.

11O interesse das autoras é evidenciar como tais estratégias - apoiadas em redes políticas articuladas na esfera acadêmica e fora dela - atuaram na formação do campo disciplinar na Argentina. Contextualiza-se, aqui, a tese de Horacio Capel (1977) de que a institucionalização da geografia explicaria a evolução epistemológica da disciplina, definindo suas concepções e conteúdos. Perla Zusman retoma o tema a partir de uma análise do papel desempenhado por Elina Correa Morales e a GAEA (instituição por ela presidida) na construção de um perfil naturalista para o ensino secundário de geografia, forçando uma mudança na formação em história e humanidades do professorado. Examinando a constituição do primeiro espaço universitário da geografia naquele país, no interior da Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade de Buenos Aires, Claudia Barros constata o mesmo "desvio" com relação à história, só que desta vez não em benefício das ciências naturais. Neste caso, as relações pessoais e institucionais do principal mentor da Seção de Geografia ali constituída, Feliz Outes, levaram a uma aproximação com a antropologia e a arqueologia, originando toda uma fundamentação teórico-metodológica para o conhecimento geográfico que corrobora a tese de CapeI.

12Encerrando o conjunto de questões suscitadas pelo material aqui apresentado, vale destacar ainda a posição da geografia como campo de representações nacionalistas e, ao mesmo tempo, de concepções universalistas relacionadas à ideologia do progresso, o que não implicaria em contradição (Machado, 1995). Os vínculos entre nacionalismo e geografia são bem conhecidos e documentados na historiografia da disciplina, sendo praticamente consensual a opinião de que esta área do saber desenvolveu-se à sombra do Estado, e que sua institucionalização correspondeu a uma extensão do controle deste último sobre o território e a sociedade, através da legitimação científica do discurso territorial (Escolar, 1996). Em tais circunstâncias, entende-se que os aparelhos do saber geográfico tenham se constituído em decorrência de um certo impulso nacionalista, o que transparece nos textos através de exemplos como os seguintes: a organização da engenharia geográfica no México recém-independente, visando embasar tecnicamente o projeto de modernização dos liberais para o país; o surgimento da Sociedade Geográfica de Lima num contexto de "reconstrução nacional" no Peru, logo após a derrota na guerra contra o Chile (1879-83); e os estreitos laços estabelecidos, na Argentina, entre a GAEA e o Ministério da Instrução Pública do Governo Alvear (1922-28), a ponto deste último ter elevado a instituição à condição de "porta-voz" oficial da geografia no país.

  • 2 George Nathaniel Curzon era presidente da Royal Geographical Society e um entusiasta de prestígio a (...)

13Mas os textos não param aí. Numa época em que a geografia, segundo a opinião de alguns homens eminentes, havia se transformado na "mais cosmopolita de todas as ciências" (lord Curzon2 citado por Said, 1990:221), era de se esperar que a perspectiva nacional se alimentasse também da preocupação em acompanhar o sentido "universal" do progresso, entendido como modernização econômica e desenvolvimento científico. É o que se pode perceber, por exemplo, no intento da Sociedade Geográfica de Lima de estabelecer uma rede de contatos que a capacitasse para uma cooperação científica internacional, como mostra López Ocón. Através deste intercâmbio as elites intelectuais peruanas pretendiam prestar sua contribuição para a "ciência universal", emitindo sinais aos países estrangeiros de seu potencial para gerar conhecimento próprio. Tratava-se, segundo a expressão de Capel (1993:412), de um "efeito demonstração". Daí, portanto, que associativismo científico e objetivos nacionalistas não estivessem em discordância.

14Este seria também o sentido geral que iria nortear algumas propostas no campo educacional, como no caso estudado por Perla Zusman. Escrevendo manuais escolares e livros educativos nas primeiras décadas do século XX, Elina Correa Morales procurava integrar tradição nacional e progresso na descrição da paisagem argentina, como se nota no seguinte trecho da autora sobre o pampa: "trepidava outrora sob os cascos dos potros indígenas, trepida hoje sob as rodas da locomotiva". Mais que uma bela imagem, o exemplo oferece uma síntese precisa das duas perspectivas que animavam a intelectual argentina. Estas, ao enfatizarem 'valores nacionais' e 'marcha do progresso', de forma não antagônica, expressam também a última questão aqui discutida.

15Acredita-se que este dossiê possa compor um painel representativo do saber geográfico desenvolvido em âmbito latino-americano, dando mostras de sua variedade, sutilezas e pretensões. Certamente há muito a ser feito em termos de intercâmbio acadêmico em história do pensamento geográfico, pensando não apenas no Brasil e na América Latina, mas também em outros países. Este número de Terra Brasilis pretende contribuir neste sentido, colocando em prática um primeiro esforço de aproximação.

16Finalmente, resta agradecer aos autores pela paciência e gentileza com que atenderam às solicitações dos editores, acrescentando aos textos imagens e notas que facilitassem a compreensão de certos episódios históricos de seus países pelos leitores brasileiros. O relativo desconhecimento das realidades latino-americanas, por parte destes, é um fato ainda presente, mas que de forma alguma reflete uma falta de interesse pelo continente. A história do saber geográfico, contada a partir da trajetória de alguns personagens e instituições, pode abrir um caminho frutífero para que este interesse encontre sua realização.

Topo da página

Bibliografia

CAPEL, Horacio (1977). "Institucionalización de la Geografía y estrategias de la comunidad científica de los geógrafos" in Geo-Critica 8-9.

___ . (1981). Filosofia y ciencia en la geografia contemporánea. Una introduccián. a la geografía. Barcelona, Barcanova,.

____. (1993). "El asociacionismo científico en Iberoamerica. La necesidad de un enfoque globalizador" in LAFUENTE, A. et alli. (orgs.). Mundialízación de la ciencia y cultura nacional. Madrid, Doce Calles, pp. 409-28.

DOMINGUES, Heloísa B. (2000). "A geografia e o exótico brasileiro" in Terra Brasílis ano I n° 2, pp. 93-110.

ESCOLAR, Marcelo (1996). Crítica do discurso geográfico. São Paulo, Hucitec.

MACHADO, Lia (1995). "Origens do pensamento geográfico no Brasil: meio tropical, espaços vazios e a idéia de ordem" in CASTRO, I. E. et alii (orgs.) Geografia: Conceitos e Temas. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, pp. 309-49.

___ . (2000). "As idéias no lugar: o desenvolvimento do pensamento geográfico no Brasil no início do século XX" in Terra Hrasilis ano I n° 2, pp. 11-31.

SAID, Edward (1978). Orientalismo. O Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo, Companhia das Letras, 1990.

ZUSMAN, Perla B. e PEREIRA, Sergio Nunes (2000). "Entre a ciência e a política: um olhar sobre a geografia de Delgado de Cravalho" in Terra Brasílis ano I n° 1, pp. 52-82.

N°3.2001

Topo da página

Notas

1 Neste sentido, ver PerIa Zusman e Sergio Nunes Pereira, (2000), que consideram a existência de âmbitos de institucionalização anteriores a 1930; e também Heloísa Bertol Domingues (2000), que não se furta em falar na institucionalização de saberes como a geografia e a etnografia no século XIX, já que os mesmos haviam adquirido o status de "seções" em instituições e comissões científicas criadas na época imperial.

2 George Nathaniel Curzon era presidente da Royal Geographical Society e um entusiasta de prestígio angariado pela geografia nos círculos intelectuais e junto à opinião pública em geral.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Sergio Nunes Pereira, « Tão perto, tão longe », Terra Brasilis [Online], 3 | 2001, posto online no dia 05 Novembro 2012, consultado o 23 Junho 2017. URL : http://terrabrasilis.revues.org/325

Topo da página

Autor

Sergio Nunes Pereira

Departamento de Geografia, Universidade Federal Fluminense.
snunes22@hotmail.com

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica

Topo da página
  • Les cahiers de Revues.org