Navegação – Mapa do site

Texto integral

1Na introdução de seu Essai sur l'évolution de la géographie humaine, Paul Claval escreveu que qualquer história da geografia deve compreender três aspectos solidários, embora distintos: as viagens que revelaram o planeta aos olhos do Ocidente; a evolução da cartografia; e, por fim, o pensamento geográfico propriamente dito, entendido pelo autor como o conhecimento produzido em obras de caráter pedagógico e científico.

2Em Terra Brasilis, sempre se procurou conceber pensamento geográfico de modo a contemplar a pluralidade de saberes e práticas abarcadas pelo termo, o que deu origem a números sobre geografia escolar, pensamento social brasileiro (carregado de conotações geográficas) e aspectos representacionais relacionados a viagens. De modo semelhante, em números menos específicos, foram apresentados textos sobre literatura, ordenamento territorial, bem como sobre instituições e personagens portadores do saber geográfico, entre outros temas.

3A pesar dessa considerável diversidade, permanecia uma dívida da revista com relação a uma das atividades mais fortemente identificadas com a geografia em sua história e imagem corrente: a cartografia. Sobre esse tema foi publicado apenas um belo artigo de Carla Lois, no número Representações geográficas. Mesmo assim a lacuna permanecia, e a apresentava-se aos editores como um desafio. Mapas comportam uma epistemologia própria, diferente daquela exigida no exame de textos. Seria necessário, então, que a organização do número contasse com a participação de pesquisadores experientes afeitos ao tema, os quais foram encontrados nas pessoas de Héctor Mendoza Vargas e João Carlos Garcia.

4Ainda que, no domínio da história da geografia e da cartografia, os nomes dispensem apresentação, cabe apresentá-los ao leitor de Terra Brasilis. Héctor Mendoza Vargas é pesquisador titular do Departamento de Geografia Social do Instituto de Geografia da Universidad Nacional Autónoma de México (UNAM), onde leciona as disciplinas de Geografia e História e História da Cartografia. Integra o Sistema Nacional de Investigadores de seu país e coordena a Seção de História do Novo Atlas Nacional de México, que compreende 53 folhas com mais de uma centena de mapas históricos, e foi publicado pelo Instituto de Geografia da UNAM em 2007. Suas linhas de investigação são história da geografia e história da cartografia. É autor de diversos artigos sobre a atividade cartográfica no México e de livros como Lecturas Geográficas Mexicanas, siglo XIX (1999) e México a través de los mapas (2000); editou também Unidad y Diversidad del Pensamiento Geográfico (2003) y La Integración del Território en una idea de Estado. México y Brasil, 1821-1946 (2007).

5João Carlos Garcia é professor associado com agregação (o equivalente no Brasil a professor titular) no Departamento de Geografia da Universidade de Porto, onde leciona Geografia de Portugal, Evolução da Cartografia e Cartografia Histórica. É também pesquisador do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa e colaborador do Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga do Instituto de Investigação Científica Tropical. Seus temas de estudo são história da cartografia luso-brasileira, evolução do pensamento geográfico em Portugal e geografia histórica. Entre suas publicações sobre cartografia encontram-se A Nova Lusitânia: Imagens Cartográficas do Brasil nas Colecções da Biblioteca Nacional (2001), A Mais Dilatada Vista do Mundo. Inventário da Colecção Cartográfica da Casa da Ínsua (2002), decorrentes da sua participação na Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses. Publicou também A História da Cartografia na obra do 2° Visconde de Santarem. Exposição carto-bibliográfica (Biblioteca Nacional, Lisboa, 2006). No papel de editores convidados, Héctor Mendoza e João Carlos Garcia realizaram uma tarefa primorosa, qui resultou numa inédita história da cartografia ibero-americana. A eles se deve creditar todo o mérito desse número de Terra Brasilis, que apresenta aos leitores, após uma elucidativa introdução, seis substanciosos artigos de pesquisadores europeus e latino-americanos, todos de reconhecida produção.

6Ao todo, são sete textos, escritos tanto em português e espanhol peninsulares como em suas versões americanas. É bom que seja assim, pois o que se pretendeu com esse número foi, entre outras coisas, estabelecer as bases de um diálogo entre historiadores da geografia e da ciência nos dois lados do Atlântico, unidos por um referencial político e cultural comum. O mundo ibero-americano comporta suficiente densidade para amparar tal objetivo.

7A Comissão Editorial

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

« Apresentação », Terra Brasilis [Online], 7 - 8 - 9 | 2007, posto online no dia 05 Novembro 2012, consultado o 25 Maio 2017. URL : http://terrabrasilis.revues.org/234

Topo da página

Direitos de autor

© Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica

Topo da página
  • Les cahiers de Revues.org