Navegação – Mapa do site

Editorial

Trajetórias, intercâmbios e aplicações das ideias geográficas
Guilherme Ribeiro, Mariana Lamego e Paulo Roberto de Albuquerque Bomfim

Texto integral

1O presente número da Terra Brasilis apresenta uma seleção dos trabalhos apresentados durante o Simpósio Internacional Circulação das ideias e história dos saberes geográficos: hierarquias, interações e redes, realizado no Rio de Janeiro de 16 a 20 de dezembro de 2014, por iniciativa da Comissão de História da Geografia da União Geográfica Internacional (UGI) e da Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica (Rede Brasilis).

2A variedade do material escolhido levou os editores a organizar o número em torno da temática “trajetórias, intercâmbios e aplicações das ideias geográficas”, fortemente representada no evento, preservando outros enfoques temáticos para compor um número adicional (Terra Brasilis 6), que será apresentado oportunamente. Desta forma, encontram-se aqui reunidos os trabalhos de Perla Zusman, Pascal Clerc, Laura Péaud, Federico Ferreti, Breno Pedrosa, Larissa Lira, Carlo Eugenio Nogueira, Paulo Bomfim, Mariana Lamego e Sylvain Cuyala. Percorrendo diversas épocas e lugares, essas contribuições apresentam ênfase na difusão, troca e apropriação das ideias que marcam a construção dos saberes geográficos, em diferentes contextos históricos e geográficos.

3Finalmente, antes de comentar brevemente as contribuições dos autores, caberia registrar a consternação dos editores desta revista e dos integrantes da Rede Brasilis ante o falecimento, em julho deste ano de 2015, de Antonio Carlos Robert Moraes, o Tonico. Professor, orientador, autor de referência na área, companheiro de debates acadêmicos e conversas relaxadas, Tonico sempre esteve ligado à Terra Brasilis, seja como colaborador e entusiasta na fase impressa da revista (2000-2007), seja como figura fundamental em seu resurgimento em forma digital no ano de 2012, quando encabeçou seu Comitê Científico e a abrigou institucionalmente no âmbito do GEOPO-USP. Tais vínculos justificam plenamente a decisão dos editores em dedicar este número à memória de Tonico, abrindo espaço para sua prosa estimulante na seção “Clássicos e textos de referência”, na qual publicamos um texto pouco divulgado acerca do Barão do Rio Branco, e na seção “Documentos, mapas, imagens” publicamos registros fotográficos de sua vida profissional e familiar, gentilmente cedidos pelo filho Martim Pelisson Moraes, que editamos com a prestimosa ajuda de Cristiane Geraldi Queiroz Moreira. A ambos manifestamos nosso profundo agradecimento. Além disso, criamos uma sessão especial composta por depoimentos sobre Tonico escritos por colegas e orientandos.

4A seção de artigos tem início com o texto da conferência inaugural proferida por Perla Zusman, intitulada No solo el reposo configura geografías. Una mirada desde el Sur sobre la movilidad de las ideas geográficas en el marco del sistema-mundo, que tanto se enquadra no tema do trânsito das ideias aqui apontado como o desenvolve a partir de uma perspectiva cara aos organizadores do evento, que pretenderam enfatizar no eixo 1 da programação (Hierarquias: centros e periferias na história da geografia). O texto em questão aborda a construção do conhecimento geográfico considerando a centralidade das redes transnacionais e o papel da mobilidade das ideias geográficas, rompendo com a perspectiva de um nacionalismo metodológico.

5Como se sabe, muitos dos estudos sobre história do pensamento geográfico concentram-se, em grande medida, em sua institucionalização universitária, ocorrida no último quartel do século XIX sobretudo na Alemanha, França e Inglaterra. Todavia, é notório o crescente interesse pela conjuntura mais ampla que precedeu e “originou” esta institucionalização: do artigo de Catherine Rhein La géographie, discipline scolaire et/ou science sociale (1860-1920)? à obra clássica de David Livingstone The geographical tradition: episodes in the history of a contested enterprise (Rhein, 1982; Livingstone, 1992), tudo indica que, ao explorarem uma abordagem mais contextual, social e política na compreensão de sua história, os geógrafos se deparam com uma sorte de agentes e de práticas bastante reveladores da difusão do conhecimento geográfico no século dezenove. É o que revelam os textos Une pensée de la mondialité au XIXe siècle: Jules Duval et les utopies socialistes; Les premières sociétés de géographie (Paris, Berlin, Londres) entre coopération universaliste et concurrence nationale (1820-1860) ; e, de certa forma (embora seu recorte temporal seja o século XX), Troca cultural e circulação do saber geográfico: a receção de Elisée Reclus na Itália e na América do Sul por Luigi e Luce Fabbri (1903-2000), assinados respectivamente por Pascal Clerc, Laura Péaud e Federico Ferretti.

6No primeiro caso, Clerc recupera o que parece ter sido a tônica do século XIX: a relação entre expansão colonial francesa e necessidade de ampliação de saberes geográficos. Saint-simoniano, imperialista e nacionalista, Jules Duval (1813-1870) encarna tal espírito atuando diretamente seja como colono (mal-sucedido) na Argélia, seja ocupando cargos de direção junto à Sociedade de Geografia de Paris. Sua visão de geografia é utilitarista, com ênfase na dimensão econômica projetada para a valorização da terra — o que guarda semelhança com a perspectiva adotada por Marcel Dubois, co-fundador dos Annales de Géographie (1891) e primeiro ocupante da cadeira de geografia colonial na Sorbonne em 1893 (Dubois, 1894).

7No segundo trabalho, Péaud realiza instigante aproximação entre as três principais sociedades geográficas do dezenove: Société de Géographie de Paris (1821), Gesellschaft für Erdkunde zu Berlim (1828) e Royal Geographical Society (1830). Se num primeiro momento os objetivos descritos em seus estatutos de fundação privilegiavam a cooperação científica e a circulação dos saberes, ao examinar as revistas publicadas por essas sociedades vemos que na prática a situação era bastante diferente, com tais instituições tornando-se instrumentos de defesa e propagação de seus respectivos impérios. Outros aspectos de destaque são a relação das sociedades com os viajantes, a proximidade física de suas sedes dos centros de poder (palácios, escolas e avenidas importantes) nas metrópoles imperiais e a nomeação dos espaços coloniais de acordo com os idiomas europeus, bem como três cartas mostrando as principais áreas do mundo de interesse de cada sociedade.

8Por sua vez, Ferreti apresenta Luce Fabri (1903-200) — filha do anarquista italiano Luigi Fabri — e seu engajamento no tocante à divulgação do pensamento de Élisée Reclus em sua terra natal em meio ao fascismo. Sua tese, defendida na Universidade de Bolonha no ano de 1928, é peça importante no interior do pensamento de esquerda na Itália de então. Ao mesmo tempo, sua confecção expõe a rede de colaboração política e intelectual mobilizada pelos anarquistas na Europa. Obrigada a fugir exatamente por conta de perseguições políticas, ela acaba por encontrar refúgio no Uruguai, onde assume papel de relevo na difusão da obra daquele geógrafo em língua espanhola.

9Afinado às abordagens que extrapolam as componentes estritamente epistêmicas nas pesquisas sobre o processo de construção do conhecimento geográfico e interessado pela trajetória intelectual de Karl A. Wittfogel, Breno Pedrosa em Karl August Wittfogel: um geógrafo comunista na escola de Frankfurt tece uma rica narrativa do percurso de formação deste geógrafo, reconstruindo o cenário político e intelectual no qual Wittfogel desenvolveu suas ideias e seu método de investigação tendo como base para sua interpretação sobre o oriente e o comunismo as obras de Marx e Weber.

10O geógrafo francês Pierre Monbeig e suas formulações teórico-metodológicas sobre as franjas pioneiras aparecem em dois artigos do presente número. A partir de uma minuciosa pesquisa sobre sua trajetória intelectual, Larissa Lira em A Espanha de Pierre Monbeig e o primeiro esboço do modelo das franjas pioneiras (1930-1935): um geógrafo face à mundialização, procura demonstrar os motivos pelos quais Monbeig escolheu a Espanha como primeiro objeto de pesquisa, tendo sido nesses estudos que desenvolveu um esboço do modelo das franjas pioneiras, notoriamente consolidado durante sua estadia no Brasil entre 1930 e 1935. Já Carlos Eugênio Nogueira, em A apropriação metodológica das frentes pioneiras na formação da Geografia Brasileira (1930-1950), discute a apropriação das teses de Monbeig sobre as franjas pioneiras nos trabalhos de uma primeira geração de pesquisadores formados pela USP, ao longo das décadas de 1940 e 1950, na tentativa de avaliar o alcance e a natureza do legado do geógrafo francês na prática científica da geografia brasileira.

11Sobre a prática científica da geografia brasileira no século XX, a revista traz mais dois trabalhos apresentados à ocasião do Simpósio da Comissão de História da Geografia da UGI. Escrevendo sobre a ideia de planejamento na geografia brasileira, Paulo Roberto de Albuquerque Bomfim, em Conceitos e significados do planejamento na geografia brasileira e o IBGE, procura desfazer uma equivocada leitura que toma o período de vigência da geografia quantitativa durante os anos de chumbo no Brasil como aquele em que o planejamento surge como agenda central para os geógrafos, especialmente para os que atuavam em instituições do Estado, notadamente o IBGE. Bomfim chama atenção para a interesante conexão entre a chamada geografia ‘tradicional’, de linhagem francesa, com o planejamento, traçando o que seriam algumas origens do conceito.

12Mariana Lamego, por sua vez, em Genius loci: duas versões da geografia quantitativa no Brasil, procura qualificar as diferenças encontradas entre duas versões da geografia quantitativa brasileira, uma, praticada por geógrafos do IBGE e outra, por professores do Departamento de Geografia da então Faculdade de Filsofia, Ciências e Letras em Rio Claro em São Paulo, em idos dos anos 1960. No exercício ao qual se propõe, a autora reflete sobre o papel do lugar considerando seu potencial explicativo acerca de tais distinções.

13Essa seção de artigos da Revista Terra Brasilis n.5 se encerra com a contribuição de Sylvain Cuyala, que assim como Lamego, também realizou pesquisa sobre a geografia quantitativa, nesse caso, em países de língua francesa. O artigo, Mapping the sources of diffusion and the active movements of scientists by using a corpus of interviews: an experiment about the origins of theoretical and quantitative geography in French-speaking Europe apresenta mapas da difusão do movimento quantitativista, elaborados com base em uma longa pesquisa realizada nos seus principais centros difusores na França, Bélgica, Luxemburgo e Suíça. A partir dessa pesquisa, Cuyala teceu uma rebuscada teia composta pelas histórias orais dos principais atores do movimento quantitativista na geografia de língua francesa, o que lhe possibilitou construir uma peridodização desse movimento que, passados mais de cinquenta anos, permanece ativo em rincões europeus.

14Por fim, resta agradecer a todos os autores que contribuíram com o número pela participação na mencionada reunião da Comissão de História da Geografia da UGI, momento especial de congregação em um dezembro carioca, e também pela paciência e gentileza com a qual atenderam às solicitações desses editores. A revista Terra Brasilis n.6 dá continuidade à tarefa de divulgação desses trabalhos que esperamos que sejam de extremo proveito àqueles que se interessam pelas histórias dos homens, suas ideias, seus trânsitos e suas geografias.

Topo da página

Bibliografia

Dubois, Marcel. (1984) Leçon d’ouverture du cours de géographie coloniale. Annales de Géographie, n. 10.

Livingstone, David. (1992) The Geographical Tradition: episodes in the history of a contested enterprise. Oxford: Blackwell Publishing.

Rhein, Catherine. (1982) La Géographie, discipline scolaire et/ou science sociale? (1860-1920). Revue française de Sociologie, XXIII.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Guilherme Ribeiro, Mariana Lamego e Paulo Roberto de Albuquerque Bomfim, « Editorial », Terra Brasilis (Nova Série) [Online], 5 | 2015, posto online no dia 17 Dezembro 2015, consultado o 23 Junho 2017. URL : http://terrabrasilis.revues.org/1356

Topo da página

Autores

Guilherme Ribeiro

LAPEHGE-PPG-UFRRJ

Artigos do mesmo autor

Mariana Lamego

DGH-UERJ

Artigos do mesmo autor

Paulo Roberto de Albuquerque Bomfim

IFSP

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica

Topo da página
  • Les cahiers de Revues.org