Navegação – Mapa do site
Resenhas

A Invenção da Terra de Franco Farinelli

Magali Gomes Nogueira
Referência(s):

FARINELLI, Franco. A invenção da terra. Tradução: Francisco Degani. São Paulo: Editora Phoebus, 2013

Texto integral

1Em capítulos curtos, de forma poética, o geógrafo Franco Farinelli discorre sobre os principais conceitos da ciência geográfica: a forma da Terra, suas medidas, sua representação cartográfica, a paisagem, a economia, a globalização dos territórios e das nacionalidades, o espaço e as redes. O que mais chama a atenção é a forma como realiza essa construção, acompanhando as diversas aproximações humanas e seus discursos a respeito da realidade: mitos, narrativas, literatura de viagens vão sucedendo-se nos diversos momentos da História da Humanidade e, em cada um deles, o conhecimento do real suplanta a necessidade de metáforas para justificar o que não se sabe, chegando-se, com Kant, ao conhecimento científico.

2E então, poeticamente, retorna ao início da narrativa: a ciranda, cirandinha e as cantigas de roda de nossa infância, “que se sucedem ao infinito”, metaforicamente são apresentadas como a mimese perfeita e consciente do mundo e de seu funcionamento: o chão, onde a brincadeira termina, como uma tabula plana, lisa e contínua que garante a estabilidade e identidade dos que giram, refletindo o mecanismo do mundo e levando-nos de volta ao primeiro mito da terra plana e da definição da linha do horizonte: da Cosmogonia babilônica das origens, o Enuma Elish à Genesis hebraica, a organização do Caos permite estabelecer a hierarquia entre as esferas e o plano da Terra, base topográfica do mapa. Apresenta-nos a discussão objeto de seu discurso: o mundo, enquanto plano tinha um único centro, mas como globo, gira e o centro fica plural e móvel e, em consequência, a proximidade das coisas não implica em sua homogeneidade e isotropismo, eliminando dele, mundo, o espaço e o tempo, surgindo algo funcionalmente descontínuo, não homogêneo, não um Universo.

3Apesar das teorias globalizantes dizerem o contrário, para ele, mais do que nunca, hoje, a comunicação continua sendo um processo sequencial, lógico e linear, como uma função matemática, não podendo a estrutura material desta comunicação acompanhar a fluidez dos contatos, pois estes passam por estradas reais e vão sendo distribuídos de acordo com interesses econômicos determinados, exigindo, dos geógrafos, novos olhares para poderem continuar atribuindo sentido às suas feições e não se iludirem com o discurso da globalização.

4Uma crítica possível a este interessante relato parece-nos concretizada na insistência de determinar inícios e nacionalidades aos conhecimentos produzidos durante o extenso espaço de tempo explorado pelo escritor em seu curto e denso texto.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Magali Gomes Nogueira, « A Invenção da Terra de Franco Farinelli », Terra Brasilis (Nova Série) [Online], 4 | 2015, posto online no dia 12 Fevereiro 2015, consultado o 17 Outubro 2017. URL : http://terrabrasilis.revues.org/1304

Topo da página

Autor

Magali Gomes Nogueira

Doutora em Geografia Humana/USP

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica

Topo da página
  • Les cahiers de Revues.org